5 Passos para a qualidade nos dados

Qualidade nos Dados

Um dos maiores desafios actuais ao nível global, seja das empresas, das instituições governamentais ou não governamentais e das pessoas singulares, é a informação precisa, actualizada e de qualidade. Essa informação de qualidade só nos é “oferecida” quando trabalhamos com dados de qualidade.

Neste contexto, entende-se como qualidade aqueles dados que são actualizados, estão devidamente estruturados, estão completos e garantem consistência.

Para que tal seja possível, sugiro 5 passos simples que qualquer empresa pode desenvolver para garantir dados que ajudam a mesma a ser mais competitiva e a estar na linha da frente.

    1. Monitorize diariamente e faça a gestão dos dados
      É fundamental que os dados, como aqueles que são tidos em fichas de clientes, por exemplo, sejam devidamente tratados, monitorizados e que sejam criados mecanismos que permitam à organização uma comunicação melhor com o cliente. Crie e associe observações de contacto ou de gestão da relação com o cliente.

    2. Execute rotinas para tratamentos de dados
      Utilize o seu gestor de Bases de Dados e execute query’s manualmente, desenvolva
      stored procedures ou triggers para que não se tenha que preocupar em corrigir os dados um a um ou de forma manual. Crie rotinas de manutenção ou ações automáticas que podem ajudar quem está a lidar com a informação.

    3. Centralize os dados, sempre que possível!
      Evite a dispersão e a replicação dos dados, se possível, centralize-os! Se tiver empresas ou departamentos que trabalham nos mesmos dados mas de forma diferente, desenvolva um projecto e mecanismos que permitam agilizar o processo. Evite duplicar os dados, pois apesar de esta ser a solução mais fácil hoje, amanhã vai gerar uma série de inconvenientes, como a inconsistência dos dados e como a perda de desempenho.

    4. Pense sempre no futuro e alinhe os objectivos!
      Os dados que são importantes hoje, podem não o ser no futuro, por isso é importante uma visão antecipada, esteja preparado para as mudanças que tenha que efectuar, acompanhe as tendências e esteja sempre alinhado com os objectivos da organização, não se esqueça que os dados não são para si mas para a organização. Tenha em atenção aos mecanismos que criou e se eles estão a melhorar os dados.Fale com os trabalhadores e procure perceber os seus processos de trabalho e como pode ajudá-los a terem dados de qualidade, devidamente estruturados e acessíveis.

    5. Proteja os dados
      Não se esqueça que proteger os dados é fundamental para a segurança de uma organização. Cada vez mais surgem ataques internos/externos à organização com o objectivo de roubar, deteriorar ou simplesmente visualizar os dados que muitas vezes consistem em informação importante para as organizações. Desenvolva mecanismos simples e complexos que protejam os seus dados, seja de funcionários, criando permissões de acesso, seja através de mecanismos de encriptação e inclusivamente de uma estratégia de cópias de segurança diária que ajude a organização a retomar o negócio em caso de catástrofe ou de um ataque.
Todos estes pontos passam pelo desenvolvimento de soluções diárias, na qual os responsáveis pelo acesso, pelo tratamento e pela gestão dos dados não devem em momento nenhum estar alheios.


Dou este simples exemplo…
  • entre uma empresa que tem 50.000 fichas de cliente, mas nenhuma das fichas de cliente têm dados correctos (e-mails inválidos, números de contribuinte que não correspondem, a faltar um dígito, com letras, sem moradas ou moradas defeituosas, como por exemplo, “Ao fundo da avenida” – que quando forem enviadas pelos correios, vão ser devolvidas, representando custos).
  • e uma empresa com 50 fichas de cliente, todas elas devidamente actualizadas, estruturadas, com moradas e contactos correctos, números de contribuinte certos, observações e dados adicionais estruturados e devidamente perceptíveis por qualquer utilizador da informação.
Que opção escolheriam para a vossa empresa?
Advertisements
Tagged , , , , , ,

2 thoughts on “5 Passos para a qualidade nos dados

  1. Louis Agra says:

    Vai depender muito do tipo de empresa, se por exemplo quiser enviar Newsletters publicitários, desses 50.000 dados de cliente, certamente que teria maior abrangência nestes dados do que na outra opção.

    Sendo a informação cada vez mais valiosa, devido a tendências de privacidade, é preferível trabalhar com os 50.000 dados que ter apenas 50 dados correctos.

  2. Diogo Moura says:

    Certo Louis. Mas ter na base de dados 50.000 registos em que todos eles têm defeitos podem levantar problemas no dia a dia de uma empresa. Seja no mailing, seja na facturação, seja no contacto com o cliente. À primeira vista pode não representar um problema tão grave, mas a realidade é bem diferente.

    O exemplo que dei pressupõe que temos 50 fichas de cliente mas fichas completas, com qualidade. Reflete um pouco sobre isto porque esta experiência tiro do trabalho que tenho feito e não tenho dúvidas que ter dados errados ou a mais numa base de dados, em que há uma série de módulos (facturação, CRM, …) com dezenas de pessoas a trabalhar em simultâneo nesses dados, acaba por gerar diversos problemas no dia-a-dia.

    Obrigado pelo comentário.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: